quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Valores invertidos




Malu (Fernanda Vasconcelos) e Amora (Sophie Charlotte):
eu ainda prefiro torcer pelo bem

Foto: divulgação

Faz um século que não escrevo aqui, e talvez ninguém leia esse post, mas resolvi escrevê-lo como uma forma de desabafar.

As vezes penso  que o mundo está perdido, porque a inversão de valores é cada vez maior. Um exemplo disso é exibido na novela “Sangue Bom”. Uma novela muito divertida, com ótimas atuações e diálogos afiados.  Mas com um ponto negativo: a personagem Amora, interpretada por Sophie Charlotte.

Para quem não assiste essa novela, aqui vai um breve resumo: Amora é uma “it-girl” ambiciosa, absurdamente fútil e deslumbrada com a fama. Quando era criança, viveu um tempo na rua até chegar ao abrigo do Tio Gilson (Daniel Dantas), onde conheceu Bento (Marco Pigossi), o mocinho, por quem é obcecada. Mas como ele é pobre e despreza o mundo dos “famosos”, ela relutava em viver um romance com o rapaz.

Bento, por sua vez, é tão ingênuo que ainda acredita na “bondade” de Amora, mesmo que todas as evidências e a maioria dos outros personagens digam o contrário.

Amora foi adotada por Barbara Ellen (Giulia Gam), uma atriz decadente que faz questão de demonstrar sua predileção por esta filha, que é a sua cópia fiel. Barbara tem outros filhos adotivos, além de Malu (Fernanda Vasconcellos), sua única filha biológica, a quem despreza por não seguir o seu estilo de vida. Malu é uma garota “do bem”, dona de uma ONG para crianças carentes. Mas teve o azar de se apaixonar justo por Bento. Digo azar porque Amora fez de tudo para separar o casal, até forjar o resultado de um exame de DNA para que Bento acreditasse que é filho de Plinio Campana (Herson Capri), pai de Malu.

Além de separar o casal, Amora quer que Bento herde os bens de Plínio (que é rico), e assim unir o útil ao agradável: casar com Bento, a quem diz amar, sem abrir mão de uma vida de luxo.

No capítulo de ontem, Amora deu mais amostras de seu mau-caratismo: incendiou a ONG da irmã, fingiu "salvar" a vida de Bento, e de quebra jogou a culpa em Fabinho (Humberto Carrão), outro que também não vale grande coisa. Mas desta vez, Fabinho é inocente.

O que me irrita nessa personagem não é a sua vilania, afinal já vimos muitos vilões aprontando em inúmeras novelas. O que me choca é constatar que algumas pessoas defendem as atitudes de Amora e ainda afirmam que ela é vítima porque “teve uma infância difícil”, “foi criada pela Barbara Ellen, então não tem culpa de ser assim”, ou ainda (pasme), “a Malu é uma invejosa, sempre quer roubar os namorados da irmã”, ou então “a Malu é certinha demais, enquanto a Amora luta pelo que quer”.

Francamente... dizer que ela tem o direito de ser mau-caráter só porque morou na rua? Quantas pessoas passaram/passam por situações iguais ou piores e nem por isso tentaram prejudicar os outros?

Outra desculpa esfarrapada é alegar que Amora é assim porque foi adotada por uma mulher fútil (por que será que os outros filhos de Barbara não são como a Amora??). O pior de tudo é justificar as atitudes sórdidas da personagem com o fato de que a irmã adotiva (Malu) é “muito boazinha, e os bonzinhos são chatos” ou porque ela se apaixonou pelos namorados da “pobre Amora”.

Quer dizer então que ser uma pessoa honesta e decente é errado... o certo é ser má, egoísta, fútil e destruir a vida dos outros?? Não é de espantar que ocorram tantos crimes e maldades por aí, já que existem pessoas com uma visão tão deturpada.

Alguns até acreditam numa possível redenção de Amora. Eu não acho impossível alguém mudar, mas seria ridículo se no final da novela ela saísse impune. E o pior de tudo, ao lado de Bento. Seria o mesmo que afirmar que o mal é recompensado. Que você pode fazer as piores atrocidades, mas será perdoado e ainda viverá feliz para sempre, sem pagar por seus crimes.

Posso até ser ingênua, até mesmo “tonta”, mas ainda prefiro torcer pelos personagens do bem.