terça-feira, 21 de agosto de 2012

Consumismo: por que comprar tanto?

Foto: antjeverena via Photopin cc
Segundo uma pesquisa recente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea),  mais da metade das famílias brasileiras está endividada. Entre elas, uma em cada três está com as contas atrasadas.

As pessoas estão cada vez mais consumistas. Não serei hipócrita de dizer que não gosto de comprar uma roupa nova ou aquela sandália linda que vi na vitrine. Mas perto da maioria das pessoas, sou bem controlada. Às vezes me pergunto: sou normal? Porque a impressão que eu tenho é que o resto do mundo está repetindo o mesmo mantra: comprar, comprar, comprar!

Por que as pessoas dão tanta importância a isso? Em parte, porque são incentivadas pela mídia o tempo todo. Os comerciais estão aí para jogar na sua cara que você só será o cara mais bonito, bem-sucedido e descolado se usar o produto X. E você, mulher “encalhada”, só vai arrumar um homem se usar a maquiagem Y e o shampoo Z!

É claro que a publicidade é necessária para divulgar os produtos, gerar vendas e produzir empregos. O problema é que as pessoas assistem essas coisas e acham que só conseguirão ser felizes se comprarem todos esses produtos "milagrosos".

Aí entra mais uma questão: se você ainda não tem aquele carro importado que aparece no comercial e o seu vizinho acabou de comprar um, você começa a pensar: será que ele é melhor do que eu? Por que eu não tenho um carro assim? Eu também quero!!
E aí se afunda em dívidas para comprar o tal carro, só porque não quer ficar por baixo.

Muita gente consome em excesso para se exibir. Mostrar que tem grana, que é melhor que os outros...

Talvez eu seja um pouco “ingênua”, mas acho que o valor das pessoas deveria ser medido pelo que elas são, não pelo que elas têm. Muitos fazem questão de ostentar um padrão de vida altíssimo, mas são tão vazios por dentro que, se perdessem tudo o que possuem, não sobraria nada para contar história.

Mesmo entre os mais pobres, vejo tanta gente gastando o salário inteiro só para comprar o smartphone mais caro da loja, o tênis que custa R$800... Apenas para dizer que pode gastar, mesmo que o aluguel esteja atrasado e faça “gatonet” para assistir TV a cabo.

Acho que o mundo está focado demais nas aparências. Todos querem exibir suas conquistas materiais para comprovar uma felicidade que, em muitos casos, não existe. Tudo está muito “fake”.

Não quero ser chata, mas por que as pessoas não tentam se assumir como são? Por que essa necessidade doentia de querer aparecer e brilhar mais do que os outros?

Acho que sou ingênua mesmo. Ainda acredito que o maior valor está no SER, e não no TER.

2 comentários:

  1. Você não é ingênua não, Karem. Você não se deixa levar por "propagandas de felicidade". Eu penso da mesma forma que você. Para mim, a felicidade vem de dentro para fora, não de fora para dentro. Recomendei seu texto no Facebook e no Google. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, A. J.!
    Isso que vc falou é verdade: muitas vezes as pessoas acham que serão mais felizes se comprarem algum produto, mas essa felicidade dura pouco, e logo será preciso comprar outras coisas pra tentar preencher esse vazio interior.
    abs

    ResponderExcluir

Deixe um comentário